segunda-feira, 13 de agosto de 2012


  ORIGEM E DESENVOLVIMENTO DA TERAPIA AURICULAR

Como mostram todas as pesquisas, a origem do diagnóstico e tratamento pelo microssistema da orelha teve origem na China.
Nos antigos textos do Huang Ti Nei Jing (O Livro do Imperador Amarelo), se observava a estreita relação do pavilhão auricular com o resto do corpo.
Em escavações na província de Hu Nam, antropólogos chineses encontraram, em1973, um livro antigo de período Han, talvez o mais antigo sobre o assunto, onde se declara que:
 “OS MEMBROS, OS OLHOS, A FACE E A GARGANTA, TODOS SE REÚNEM ATRAVÉS DOS CANAIS E VASOS NA ORELHA”.
Depois da fundação da Nova China, o sistema médico neste país ganhou um amplo e rápido desenvolvimento.
Em Dezembro de 1958, Ye Xiao Wu publica na revista de Medicina Tradicional de Shangai os estudos realizados pelo médico francês PAUL NORGIER, sobre a relação de certas zonas do pavilhão auricular com os órgãos internos. Foi NORGIER o primeiro a representar na orelha um corpo na posição fetal.

 
Descritivamente, admite-se que a orelha simule um feto invertido dentro do útero.

Este mapa serviu de grande impulso aos médicos chineses para começar um profundo estudo da auriculoterapia, tanto dentro como fora da china, tomando como base a experiência capturada nos textos antigos, assentando assim as bases da auriculoterapia atual.
A descrição das patologias tratadas com auriculoterapia também obteve um amplo desenvolvimento chegando a validar-se o tratamento em torno de 150 patologias distribuídas em enfermidades de medicina interna, cirurgia, ginecologia, pediatria, otorrinolaringologista, ortopedia etc.
Os estudos passaram a ser realizados dentro das faculdades por médicos da Medicina Tradicional Chinesa e ocidental, aprofundando assim, cada vez mais neste método de tratamento simples e eficaz.
Portanto podemos resumir que com a ajuda de Norgier, os Chineses retomaram uma sabedoria milenar e trouxeram até nós a oportunidade de aprender a auriculoterapia, já bem mais elaborada e comprovada cientificamente.

domingo, 24 de junho de 2012

JORNAL DE ESTOCOLMO Loppi, Finlândia, 23/06/2012



     
        Caríssimo, caríssima
        Num encontro de um dia de PSYCH-K na Alemanha tirei pela primeira vez uma carta do baralho de afirmações da Louise L. Hay.
        Quando li a carta fiquei maravilhada. Lá estava em alemão, mais ou menos, isso: ¨Hoje faço meu melhor e meu melhor é suficiente.¨
        Que leveza, que aceitação maravilhosa! Porque na verdade, por mais que eu me esforce, como muitas vezes nos é pedido, não conseguirei
       fazer melhor que meu melhor. Ou seja, nunca alcançarei a perfeição.
        Essa frase é também uma das afirmações/crenças do PSYCH-K .
       Isso não quer dizer que ficarei parado/a pra sempre. Significa que me aceito como sou. Esse é o primeiro passo pra transformação que quero.
      O texto abaixo é a leitura de hoje desse livro espetacular que me acompanha em alemão faz muitos anos.
      Dei-o de presente quando saí da Alemanha. Na volta, não sabendo o nome, não podia procurá-lo.
      Um dia , na livraria de Aachen, uma amiga me chamou pra mostrar um livro de que gostava e ele aproveitou pra aparecer pra mim.
     Comprei-o imediatamente de volta. E procuro levá-lo sempre comigo pra onde vou.
    Cansada de pedir que alguém traduza seus textos pra mim, resolvi me aventurar a fazer isso de vez em quando.
    Bem, quem diria que algum dia eu teria a coragem de fazer traduções livres de um livro em alemão?
   Presentes que a gente vai ganhando pelo caminho quando se aventura por ele.
  Espero que gostem.
  Abraços.
  Alzira M.
 www.visualizecriativa.com


     Separando-se de velhas crenças 
   (Do livro The Language of Letting Go: Daily Meditations for Codependents    Melody Beattie  Até minha última pesquisa, sem tradução no Brasil.
     Esta é uma tradução livre feita por mim.)

  
  ¨ Esforce-se mais. Faça melhor.Seja perfeito.¨

  Essas crenças são armadilhas com as quais as pessoas nos ¨pegam¨. Por mais que nos esforcemos por fazer nosso melhor, acreditamos sempre que

temos que fazer ainda melhor. A perfeição nunca é alcançada; por isso estamos sempre insatisfeitos com o bom que conseguimos realizar.

 Crenças que tem a perfeição como tema são, por isso, armadilhas, porque nós nunca conseguimos alcançar esses objetivos. Enquanto essas crenças

nos dirigirem/influenciarem, nos sentiremos insatisfeitos conosco ou com o que realizamos.

 Nós nunca nos sentiremos suficientemente bons enquanto não mudarmos esses conselhos/crenças e começarmos a nos dizer que somos suficientemente bons.

 Nós podemos começar a mudar isso reconhecendo nosso valor e nos aceitando. Nós somos suficientemente bons assim como nós somos. O que nós

fizemos ontem foi  bom;o que fazemos hoje é igualmente bom.

 Nós podemos ser como somos e fazer as coisas como nós as fazemos hoje. Isso será exatamente assim quando nos desligarmos da ideia de perfeição.

 Ajude-me hoje, Deus, a transformar minhas crenças que me desequilibram. Eu sou livre para ser como eu sou e para aceitar que é bom assim.


 

     Esta é uma tradução livre feita por mim.)
     ¨ Esforce-se mais. Faça melhor.Seja perfeito.¨

  Essas crenças são armadilhas com as quais as pessoas nos ¨pegam¨. Por mais que nos esforcemos por fazer nosso melhor, acreditamos sempre que

temos que fazer ainda melhor. A perfeição nunca é alcançada; por isso estamos sempre insatisfeitos com o bom que conseguimos realizar.

 Crenças que tem a perfeição como tema são, por isso, armadilhas, porque nós nunca conseguimos alcançar esses objetivos. Enquanto essas crenças

nos dirigirem/influenciarem, nos sentiremos insatisfeitos conosco ou com o que realizamos.

 Nós nunca nos sentiremos suficientemente bons enquanto não mudarmos esses conselhos/crenças e começarmos a nos dizer que somos suficientemente bons.

 Nós podemos começar a mudar isso reconhecendo nosso valor e nos aceitando. Nós somos suficientemente bons assim como nós somos. O que nós

fizemos ontem foi  bom;o que fazemos hoje é igualmente bom.

 Nós podemos ser como somos e fazer as coisas como nós as fazemos hoje. Isso será exatamente assim quando nos desligarmos da ideia de perfeição.

 Ajude-me hoje, Deus, a transformar minhas crenças que me desequilibram. Eu sou livre para ser como eu sou e para aceitar que é bom assim.

 


  Essas crenças são armadilhas com as quais as pessoas nos ¨pegam¨. Por mais que nos esforcemos por fazer nosso melhor, acreditamos sempre que
temos que fazer ainda melhor. A perfeição nunca é alcançada; por isso estamos sempre insatisfeitos com o bom que conseguimos realizar.
 Crenças que tem a perfeição como tema são, por isso, armadilhas, porque nós nunca conseguimos alcançar esses objetivos. Enquanto essas crenças
nos dirigirem/influenciarem, nos sentiremos insatisfeitos conosco ou com o que realizamos.
 Nós nunca nos sentiremos suficientemente bons enquanto não mudarmos esses conselhos/crenças e começarmos a nos dizer que somos suficientemente bons.
 Nós podemos começar a mudar isso reconhecendo nosso valor e nos aceitando. Nós somos suficientemente bons assim como nós somos. O que nós 
fizemos ontem foi  bom;o que fazemos hoje é igualmente bom.
 Nós podemos ser como somos e fazer as coisas como nós as fazemos hoje. Isso será exatamente assim quando nos desligarmos da ideia de perfeição.
 Ajude-me hoje, Deus, a transformar minhas crenças que me desequilibram. Eu sou livre para ser como eu sou e para aceitar que é bom assim.
 

terça-feira, 19 de junho de 2012

Emagrecer feliz

 

Através do paradigma holístico, reconhecemos a necessidade do emagrecimento como parte do processo de manutenção da saúde integral. O autoconhecimento, o desenvolvimento do amor próprio e auto perdão, juntamente com o bom funcionamento glandular, digestivo e nervoso, deve nortear um programa para o emagrecimento, evitando assim temido efeito sanfona.  Desejamos que o peso adequado seja celebrado com a mesma alegria de quem encontrou a si mesmo. 

Essencial é ter saúde. Essencial é ser feliz!

Quem sou eu

Minha foto
Sou um ser que busca incansavelmente a paz e a liberdade. Busco a verdade que está no conhecimento e no silêncio da alma. Meu trabalho é destinado a buscar, nos recursos das terapias, a chave para libertar e esclarecer, harmonizar e favorecer a saúde em todas as dimensões.